O desembargador Diógenes Barreto, do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJ-SE), indeferiu o pedido de ilegalidade da greve dos médicos da rede municipal formulado pela Prefeitura de Aracaju. O magistrado entende que a categoria vem mantendo os serviços à população aracajuana. A greve dos médicos começou no dia 19 de junho.

Na decisão, o desembargador cita que 61% dos serviços do Centro de Especialidades Médicas (Cemar) e 72% da rede básica vêm sendo mantidos pelos médicos.

Os médicos das Unidades Básicas de Saúde da capital reivindicam reajuste salarial e alegam que a PMA se recusa a negociar com a categoria.

No último dia 30, houve uma tentativa de conciliação no gabinete do desembargador Diógenes Barreto.

A Secretaria Municipal de Saúde informou por meio de nota que, assim, que for notificada oficialmente, sobre a decisão do desembargador Diógenes Barreto, tomará as providências legais necessárias.

A nota cita ainda que, a decisão judicial do desembargador relator, de não decretar a ilegalidade da greve, foi tomada com base na baixa adesão dos profissionais, uma vez que, de acordo com o que foi evidenciado na decisão, somente 28% dos médicos da Rede de Atenção Primária e 39% da Rede de Atenção Especializada aderiram ao movimento. Já na Rede de Urgência e Emergência, 100% dos profissionais estão trabalhando normalmente.

Matéria atualizada às 17h10 para inserir posicionamento da SMS