Em visita a Aracaju, na última quinta-feira, 6, o presidenciável Ciro Gomes (PDT) analisou o perfil do eleitor que tem optado por Bolsonaro. Segundo Ciro, o eleitor brasileiro oscila entre o “desânimo e a revolta” e Bolsonaro canaliza esse voto de revolta. “Ele fala ao brasileiro branco, rico e macho, que tem uma taxa de egoísmo maior”, disse.

Antes do ato público, Ciro falou com a imprensa sobre seus planos para o Brasil. Segundo o candidato, ele prevê no Nordeste a retomada das grandes obras. “Precisamos retomar o que parou”. Na opinião de Ciro essa iniciativa de acelerar as obras, tem impacto direto na geração de emprego e põe consequência na economia.

Sobre o crescimento na última pesquisa Ibope, Ciro Gomes foi comedido e prudente. “Quero unir todos os brasileiros que tem solidariedade a causa dos mais pobres. Fico feliz que minha mensagem está chegando, mas pesquisa é um retrato do momento e a vida não é retrato, a vida é filme, e esse filme ainda vai nos reservar grandes emoções”, comentou.

Quando perguntado sobre a estratégia que utilizaria para herdar os votos de Lula, Ciro foi irônico e emendou com a uma explicação em tom de incômodo. “Eu não vejo o povo brasileiro assim, a gente precisa deixar apenas que o povo vote”, respondeu.

Ciro voltou a assegurar que sua proposta para ajudar os brasileiros na negociação de dívidas é viável. Disse que privatizações precisam ser avaliadas com responsabilidade e sem preconceito. Reafirmou que revogará a reforma trabalhista e falou de sua proposta para Previdência, que é criar um sistema de capitalização, sem prejudicar os trabalhadores.

Sobre a estratégia usada pelo PSDB, que tem batido forte em Bolsonaro, Ciro assegurou que não adotará o mesmo estilo. “Não sei que moral tem o PSDB para bater em quem quer que seja. O filtro moral que eles tão usando para bater no Bolsonaro, mas se esse mesmo filtro for usado sobre a prática dos tucanos, meu irmão, não fica um. É só lembrar que o Aécio que é candidato hoje, não passou nem por uma comissão de ética no partido. É essa gente que a gente precisa varrer da política”, afirmou Ciro.

Lula – Questionado como avaliava a situação do ex-presidente que está preso, teve candidatura indeferida e propaganda eleitoral proibida, Ciro disse sentir muita tristeza e que nenhuma Nação deveria comemorar ter seu maior líder político preso. “Isso é lamentável, a gente precisa pensar no Brasil, mas sobre este assunto eu sinto dor no coração”, afirmou.