O aumento no valor da tarifa do transporte coletivo de Aracaju (SE), anunciado pela prefeitura da capital na noite dessa quarta-feira, 7, não agradou usuários e donos de empresas de transportes. Enquanto usuários pedem redução, empresários dizem que o aumento foi populista e precisa de novo reajuste.

O Jornal da Fan, apresentado pelo radialista Narcizo Mchado, promoveu um debate sobre o tema na manhã desta sexta-feira, 7, entre o superintendente municipal de Transporte e Trânsito de Aracaju, renato Telles,  presidente da Federação das empresas de Transportes de Sergipe, Adierson Monteiro, o secretário municipal de Comunicação de Aracaju, Luciano Correia e o  vereador Lucas Aribé (PSB).

Atualmente o a tarifa cobrada é de R$ 3,50, com o novo reajuste, que passará a ser cobrado a partir do próximo domingo, 9, usuários pagarão R$ 4,00 para usar o transporte coletivo na Grande Aracaju.  As empresas haviam pedido uma tarifa de R$ 4,44.

Adierson Monteiro

O presidente da Federação das empresas de Transportes de Sergipe, Adierson Monteiro, destacou sua insatisfação com o valor determinado pela prefeitura. “Não recebemos um detalhamento do que foi levado em conta para esse reajuste. Temos um transporte coletivo sem  incentivo público. Além disso, cerca de 80% dos usuários não pagam o valor integral da tarifa, 60% é vale transporte, pago pelo empregador e 20% são estudantes. Desta forma fica difícil para classe empresarial. Reavaliaremos o valor definido e caso necessário ingressaremos com uma ação na Justiça”, pontuou.

Renato Telles

O superintendente municipal de Transporte e Trânsito de Aracaju, Renato Telles, disse que houve divergência entre a planilha de gastos apresentada pelo Sindicato das Empresas do Transporte de Passageiros de Aracaju (Setransp) e a análise feita pela SMTT. “Desde que recebemos a planilha nos debruçamos e vimos que o aumento de itens como o diesel, óleo de motor e óleo de caixa implicam diretamente na necessidade de um reajuste. Exigimos comprovação de gastos das empresas e estabelecemos o valor adequado diante da atual realidade”, destacou.

Luciano Correia

O secretário municipal de Comunicação, Luciano Correia, fez pontuações destacando a necessidade o aumento e avaliou o valor como justo. “O povo aprovou o valor. Reajustes são naturais, até mesmo porque o serviço precisa ser prestado. Temos uma frota recém-renovada e o valor estabelecido é o adequado diante da necessidade”, afirmou.

Lucas Aribé

O vereador Lucas Aribé (PSB) rebateu às declarações do secretário. Segundo ele o valor cobrado é extremamente injusto. “O transporte é ruim, é estressante, não tem qualidade. Luciano fala isso porque ele não usa ônibus, é preciso sentir na pele”, finalizou.

Foto: Rafel Rodrigues