Nesta segunda-feira, dia 10, uma advogada foi algemada e presa no exercício da profissão, durante uma audiência no 3º JEC de Duque de Caxias, estado do Rio de Janeiro. A OAB-RJ repudiou o caso e, segundo apurações feitas pela comissão “a juíza leiga Ethel informou que a advogada estava requerendo a adoção de medidas acerca de audiência finalizada, o que estaria impossibilitado até mesmo pela finalização da ata”.

Nos vídeos que circularam em grupos de Whatsapp, é possível ver a advogada sentada à mesa de audiências requerendo a presença de delegado da Ordem, sendo confrontada pela juíza leiga, que solicita que aguarde do lado de fora da sala de audiência, o que é negado pela patrona. A advogada insiste em permanecer sentada até que algum representante da OAB/RJ esteja presente, e a juíza então informa que notificará a polícia para a sua retirada.
No último vídeo, a advogada está algemada, sentada no chão da sala de audiências, próxima à porta, cercada por policiais militares, afirmando diversas vezes que só quer exercer “o direito de trabalhar” e por diversas vezes diz que está trabalhando.

A bacharel foi levada para a 59ª DP (Caxias) e liberada após intervenção da OAB-Rio.

OAB-RJ repudia –  A instituição repudiou o caso. “Uma advogada da subseção de Duque de Caxias foi algemada em pleno exercício profissional! Nada justifica o tratamento dado à colega, que denota somente a crescente criminalização de nossa classe. Iremos atrás de todos os que perpetraram esse flagrante abuso de autoridade. Juntos somos fortes”, afirmou o presidente da comissão, Luciano Bandeira.

Veja o vídeo: