Durante a visita da CPI da Saúde na manhã desta sexta-feira, 4, ao Hospital São José, os vereadores foram recepcionados pelo coordenador de Assistência, o enfermeiro Fúlvio Teixeira, e a assessora jurídica, Carolina Teixeira. Segundo Fúlvio, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) possui dívidas com o São José e não faz uso da demanda de serviços contratados.

Afirmações de Fúlvio levam à suspeição de que a demanda pode estar sendo reprimida para conter gastos

“A dívida chega próximo de um milhão, há muita demora nos repasses e isso causa transtornos. Não conseguimos cumprir todas as metas porque de X procedimentos contratados, os pacientes não chegam à instituição”, relatou.

Ele detalhou que essas metas não cumpridas, se dão por conta do hospital só atender os pacientes regulados pela SMS, e que portanto, não há como atender a meta sem que a SMS envie os pacientes. Fúlvio disse ainda, que o hospital é punido por não atender as metas, mesmo a responsabilidade sendo da própria secretaria.

A informação trouxe reação de perplexidade entre os parlamentares. Outra garantia dada pela direção é que o São José cumpre religiosamente a determinação do Ministério Público Federal (MPF) em só atender pacientes SUS que venham por meio do sistema de regulação.

O relator da CPI,  Isac Silveira (PCdoB), disse que a comissão está tentando encontrar o caminho das pedras para entender a problemática dos filantrópicos. “É muito difícil que quem faz a gestão assuma suas falhas e equívocos. Temos algumas denúncias quanto ao atendimento aqui no São José, mas não farei afirmações para ser leviano, há muito que se investigar”, disse Isac.

Assessora garante que direção do São José não é remunerada e que atrasos nos repasses criam sérios problemas

A visita teve a participação dos vereadores Seu Marcos (PHS) que é presidente da comissão, Isac Silveira (PCdoB), que é relator, Jason Neto (PDT) e Cabo Amintas (PTB). O vereador Anderson de Tuca (PRTB) não compareceu.  Carolina Teixeira dialogou com os parlamentares passando detalhadamente o funcionamento do hospital e suas dificuldades em virtude da demora dos repasses.

Posição da SMS – Através de sua Assessoria de Comunicação, a Secretaria Municipal de Saúde informou que não há atrasos nos pagamentos junto ao Hospital São José. Quanto às afirmações dos diretores de que não há cumprimento das metas contratuais por não envio de pacientes regulados, a SMS disse não ter conhecimento dos fatos relatados e que aguardará envio de relatório da CPI e convocação para se pronunciar sobre o assunto.