O reitor da Universidade Federal de Sergipe (UFS) Angelo Roberto Antoniolli apresentou nesta quinta, 16, na Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese), dados sobre a reestruturação e expansão da universidade nos últimos anos. Durante a sessão especial ele apresentou, também, o impacto social e econômico da instituição no estado por meio de seus seis campi e dois hospitais.

Apresentando a atuação e presença da universidade, Angelo conclamou os deputados estaduais a trabalharem junto à bancada federal em favor do que chamou de “patrimônio imaterial do povo sergipano”.

“Se entendemos que a UFS é um patrimônio imaterial de Sergipe, é fundamental que estejamos aqui na Casa do Povo para fazermos a defesa da Universidade Federal de Sergipe”, disse o reitor.

Contingenciamento – A visita ao plenário contemplou ainda o tema da defesa da universidade pública ante o contingenciamento de recursos de custeio e investimento por parte do Ministério da Educação (MEC) na ordem de 30%, o que pode vir a comprometer o funcionamento da instituição ainda este ano.

De acordo com o reitor, atualmente o custeio anual para fazer a UFS funcionar é de R$ 100 milhões. E, segundo o reitor,  será sobre esse valor que o contingenciamento será feito.

Foto: Ascom UFS

Informações: Ascom Alese e UFS