“2020: eu também defendo que o PT tenha candidatura própria em Aracaju”, esta foi a postagem da vice-governadora Eliane Aquino (PT) em sua conta no Twitter na manhã desta terça-feira, 16. A afirmação foi um reforço à publicação de matéria no Jornal da Cidade, que repercutiu à entrevista do senador Rogério Carvalho ao Jornal da Fan, nessa segunda-feira, 15.

“Só defendo a ideia, mas tudo se dará no processo e na construção do que for melhor para as pessoas de Aracaju”, explicou Eliane ao Fan F1.

O título da matéria destaca a posição de Rogério na entrevista a Narcizo Machado defendendo candidatura própria do partido à Prefeitura  Municipal  de  Aracaju  (PMA). Eliane ainda não tinha se posicionado publicamente sobre esse assunto. Na última semana o discurso por uma candidatura própria do Partido dos Trabalhadores (PT) à Prefeitura de Aracaju em 2020 ganhou força.

O vice-presidente nacional do Partido dos Trabalhadores, Márcio Macedo, puxou a fila quando também em entrevista ao Jornal da Fan e declarou sua intenção de ser o nome do PT para 2020. Também em entrevista, os dirigentes da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Joel Almeida e Professor Dudu,  afirmaram posição favorável.

Reunião de anúncio de Cássio Murilo na Funcaju

Candidatura própria significa rompimento com o prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB), já que o comunista disputará a reeleição. Recentemente Edvaldo efetivou na Fundação Municipal de Cultura (Funcaju) o petista Cássio Murilo indicado por Márcio Macedo e abriu espaço para a chegada de Camilo Feitosa à Câmara Municipal de Aracaju (CMA). O PT ainda tem nomes indicados na Secretaria Municipal de Assistência Social.

Tadeu Brito, que é dirigente do PT e membro do grupo liderado pela ex-deputada Ana Lúcia, declarou que o agrupamento sempre foi favorável. “A tendência petista Articulação de Esquerda em Sergipe defende essa posição desde 2012”, disse Tadeu. Em 2020 completam 14 anos da renúncia de Marcelo Déda, que administrou Aracaju por seis anos, de 2000 a 2006, quando disputou o Governo de Sergipe e eleito, passou o bastão para Edvaldo Nogueira.

Questionado durante a entrevista quanto ao discurso que o partido usaria para explicar à população aracajuana e convencer os eleitores dos motivos do rompimento tardio, Márcio Macedo declarou que caberá ao povo a avaliação. “O povo vai julgar, não podemos fugir disto, nem tratar o assunto como infidelidade. Quando o calendário politico for aberto, o PT tem autonomia de dialogar com partidos aliados o caminho a seguir”, afirmou Macedo.