A festa da padroeira Senhora Santana, no município de Aquidabã, começa nesta quarta-feira, 26, sob o protesto dos professores da rede municipal da cidade distante a 98 quilômetros da capital. A categoria alega que recebe abaixo do piso nacional e que a administração municipal está em débito com os professores. “Como vai fazer festa nessa situação?”, questiona o coordenador-geral do Sintese para a subsede do Baixo São Francisco, José Vanderley Santos Silva.

O representante do Sindicato dos Trabalhadores em Educação na região, disse em entrevista na tarde desta terça-feira, 25, ao radialista J.Pereira, da Fan FM Carmópolis (94,3), que não tem havido atrasos no pagamento de salários desde o início deste ano. “Mas há débitos relativos a 2016 (salários de junho e dezembro), e aos anos de 2012 a 2015 relacionados ao pagamento de 13º salário e férias, portanto são débitos da administração municipal”, ressaltou.

No município há cerca de 250 professores com média salarial de R$ 1.378 (básico inicial), enquanto lei federal do magistério estabelece um piso salarial de R$ 2.298. O piso nacional do magistério foi instituído por meio da lei 11.738/2008.

A festa em homenagem à padroeira da cidade vai até sábado, 30, com shows de Gabriel Diniz, Danielzinho e outros. O Sintese acionou a justiça buscando impedir a suspensão do evento, mas o judiciário negou o pedido por entender que não há irregularidades, uma vez que as pendências jurídicas estão em andamento na Justiça do Trabalho.