Para o professor de italiano, Sérgio Buonamassa, o aprendizado de um idioma depende não apenas do professor, mas principalmente do aluno. “É preciso ter interesse, frequentar as aulas de maneira ativa, perguntando, tendo vontade de saber sempre mais e estudar em casa”, disse o professor que há mais 20 anos dá aulas particulares do quarto idioma mais estudado no mundo.

De acordo com Buonamassa, a depender da dedicação do aluno, em seis meses consegue falar, ler, escrever o básico ou até mais, “mas, só sala de aula, costumo dizer, ajuda, mas não é tudo; precisa estudar em casa, fazer os deveres, nisso eu não sou exigente, mas muito exigente. Ao final o meu trabalho e nome estão em jogo”, destaca.

De acordo com o professor, são necessárias, no mínimo, 4 horas/aula por mês, “algumas pessoas preferem aulas de uma hora e meia, sempre uma vez por semana”, destacou.

Segundo Buonamassa, as aulas particulares têm a vantagem de direcionar para o aluno a atenção integral do professor. “Além disso, eu vou até eles, escritórios, consultórios, lojas, faculdades, residências, até na praça de alimentação de um shopping lecionei …  Antes do shopping abrir para o público (risos)”, disse.

Público – Grande parte de seus alunos o procuram para enriquecer o currículo, para se preparar para o mestrado ou doutorado, mas também para viajar.

“O público é muito heterogêneo, tenho alunos da área jurídica, médica, universitária, ascendentes e descendentes da Itália, delegados de polícias”, complementou o italiano que, após lecionar um tempo em uma escola de idiomas de Aracaju, criou método próprio e optou pelas aulas particulares.