Uma ação operação policial realizada nessa quarta-feira, 18, pela Polícia Civil através do Departamento de Crimes Contra o Patrimônio (Depatri)  terminou na prisão de cinco homens. Eles são acusados de envolvimento em crimes de homicídio, tráfico de drogas e porte ilegal de arma de fogo. De acordo com a polícia a quadrilha agia na região conhecida como Nova Palestina no município de Nossa Senhora do Socorro (SE). Um dos presos, confessou participação no assassinato do serralheiro José Antônio da Conceição,  de 43 anos de idade, morto a tiros no quintal da casa dele, na avenida Edézio Vieira de Melo (Explosão), bairro Suíssa em Aracaju (SE) no dia 16 de fevereiro deste ano.

Os presos foram identificados como  Eleandro Santos Siqueira, apontado pela polícia como líder do grupo; Jeferson Panta de Jesus, que possuía mandado de prisão em aberto; Thiago Gomes da Silva; Diego Gomes da Silva e Ricardo de Jesus Siqueira. Todos com passagens anteriores pela polícia.

Foto: Fan F1

A ação policial também resultou na apreensão de quatro armas de fogo, sendo duas roubadas e de uso restrito; munições; balaclavas, uma máscara, cápsulas de cocaína e ainda R$ 7 mil. Em depoimento, alguns dos envolvidos ainda admitiram a posse das armas e entraram em contradição sobre quem seria o real dono do armamento.

Foto: Fan F1

Dentre os presos, Jeferson é  apontado pela polícia como sendo o autor do homicídio que vitimou o serralheiro na avenida Edézio Vieira de Melo (Explosão) em Aracaju, um outro homicídio que pôs fim a vida de um cabeleireiro Conjunto Parque dos Faróis, em Nossa Senhora do Socorro (SE), e ainda é acusado pela morte de um traficante em um confronto pelo domínio do tráfico no Conjunto Jardim, também em Nossa Senhora do Socorro (SE). Jeferson disse em depoimento que praticava os homicídios a mando do grupo.

A delegada Juliana Alcoforado, responsável pelas investigações informou que os casos serão encaminhado aos Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e ao Departamento de Narcóticos (Denarc). “A investigações devem continuar através dessas unidades e os delegados responsáveis decidirão pelo indiciamento de cada uma a depender dos crimes que sejam enquadrados”, informou.