O drama da dona de casa Donina Lucena Olinda, 62, começou há pouco mais de um mês quando começou a sentir dores abdominais e descobriu pedras na vesícula. Mais adiante, com novos exames, detectou um cisto no pâncreas e a necessidade urgente de operar. Mas, apesar de ter dado entrada seis vezes no Hospital Universitário (HU) para fazer a cirurgia, dona Donina, sai de lá como entrou – sem ter passado pelo centro cirúrgico – segundo o HU, por falta de vaga na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para recebê-la no pós-operatório.

“Agora ela está internada. Deu entrada no sábado e a médica disse que só sai quando fizer a cirurgia”, disse o filho dela, Mateus Lucena. O rapaz lamenta a situação e diz que a cada entrada no hospital, surge a esperança na família pela recuperação da mãe e a cada saída sem a cirurgia, uma nova frustração. “O psicológico de minha mãe já está abalado por conta da doença, com isso, fica muito mais”, desabafou o jovem.

Não procede – O Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe informou que não procede a informação de que ela ainda não foi operada por falta de vaga na UTI. Por meio de sua assessoria de comunicação, o HU esclareceu que dona Donina está internada na Clínica Cirúrgica I, desde o último dia 28 para realização de procedimento cirúrgico, e não há previsão de alta. “Neste momento, a paciente está submetendo-se, sob a supervisão da equipe médica, a novos exames que visam resguardar a sua segurança e proporcionar melhores avaliação e programação do procedimento cirúrgico aos profissionais envolvidos. Por esse motivo, a data da cirurgia, que estava agendada para hoje, 4, foi postergada até que a equipe médica termine a análise dos resultados dos exames em andamento”, cita a nota enviada ao Fan F1.