O procurador do Ministério Público de Contas de Sergipe, Eduardo Côrtes, disse em entrevista a Magna Santana, no Jornal da Fan 1ª edição da manhã desta quinta-feira, 03, que o problema da paralisação das 343 obras em 51 municípios de Sergipe é de gestão e não da legislação.

Procurador Eduardo Côrtes no novo estúdio da Fan FM com Magna Santana. Foto: Fan F1

“O problema não está na legislação. Faltam planejamento, e equipe preparada para elaboração de projetos básicos”, disse ao defender um controle maior da imprensa e da sociedade no acompanhamento das obras e serviços públicos.

O procurador disse que o número de obras paralisadas foi apontado em relatório elaborado pela engenharia do TCE em junho de 2017. O valor total das 343 obras paralisadas soma R$ 447.431.994,61.

Eduardo Côrtes informou que das 343, 70 obras deverão ser auditadas e os gestores responsabilizados por possíveis atos ilícitos cometidos.

Entre as obras paralisadas, está a de uma creche na cidade de Estância, cujos serviços estão parados há 870 dias.

Clique aqui e acesse o relatório do TCE na íntegra.