O deputado federal Valdevan Noventa (PSC) se posicionou quanto aos questionamentos feitos no Jornal da Fan dessa quinta-feira, 14, sobre as nomeações de seus assessores parlamentares. As justificativas apresentadas não respondem aos principais questionamentos que não estão voltados para a questão legal, moral ou ética. O que o JF está buscando saber dos parlamentares é se as assessorias são técnicas ou políticas.

Leia: Veja perfil dos assessores de Fábio Reis e Valdevan Noventa

Numa busca de informações com fontes seguras e técnicas, o JF descobriu a vinculação de assessores de Noventa com times de futebol sergipano, pessoas beneficiárias do Bolsa Família e uma que é investigada pela Polícia Federal e Ministério Público Federal (MPF) no inquérito que analisa as supostas doações eleitorais laranjas à campanha do deputado.

“Primeiramente cabe esclarecer que não há nenhum impedimento de nomeação a pessoa que trabalhe com o Esporte, neste caso com o futebol” afirma a nota. “Nosso gabinete seguiu rigorosamente o que manda o Ato da Mesa da Câmara dos Deputados Nº 72, de 1997, que dispõe sobre os cargos em comissão de Secretariado Parlamentar do Quadro de Pessoal da Casa”, disse Valdevan.

Nomeações – A nota informa que os secretários parlamentares, Gilson Miguel dos Santos, Fabrício Andrade Varjão e Joel Oliveira do Nascimento obedeceram todos os requisitos exigidos pela Câmara dos Deputados, no que diz respeito à vasta documentação para provimento no cargo. Sobre a secretária parlamentar, Clezia Tauana dos Santos, o deputado confirmou ter o conhecimento de que a mesma é beneficiária do Programa Bolsa Família, e assegurou que o cancelamento do benefício ocorrerá automaticamente com a nomeação.

A respeito dos secretários Renegean Pereira da Costa e Selmira Nunes dos Santos a informação é que ambos apresentaram todos os documentos exigidos pela Câmara dos Deputados e foram prontamente aceitos para a posse. Quanto à doadora de campanha, Joseilza Barbosa Santiago, o deputado argumenta que não há qualquer tipo de impedimento para que ela exerça a função comissionada a que lhe fora atribuída.