Os médicos da rede municipal de Aracaju decidiram em assembleia realizada ontem continuar com a greve que já dura 48 dias. Nesta quarta-feira, 5, o Sindicato dos Médicos de Sergipe (Sindimed-SE) informou que diante da falta de vontade da Prefeitura em negociar reajuste de salário com a categoria, vai aguardar a decisão do desembargador Diógenes Barreto, que na semana passada realizou audiência de conciliação entre a PMA e o Sindimed, sobre o pedido – de abusividade – ingressado pela Prefeitura de Aracaju, contra os médicos.

Segundo o presidente do Sindimed-SE, João Augusto,uma nova assembleia está marcada para o dia 11, às 14 horas, depois de um ato na porta da Câmara de Vereadores, programado para o mesmo dia, às 8 horas.

“A Prefeitura Municipal de Aracaju (PMA) respondeu à Justiça que não tem interesse em negociar com os médicos. A informação foi passada na tarde da última segunda-feira, 3, para a justiça, atendendo ao prazo dado pelo Desembargador Diógenes Barreto, na audiência de conciliação entre os médicos (representado pelo Sindimed) e a PMA, na quinta-feira, 31. Diante desta resposta os médicos vamos aguardar o desembargador ‘bater do martelo’ “, cita nota do Sindimed-SE.

A nota informa ainda que “contrária à posição da Prefeitura, os médicos estão e estiveram sempre dispostos a negociar com a Administração Municipal. Prova disto é que na audiência chegou a ‘abrir mão’ ou melhorar a apresentar propostas alternativas sobre o pleito da categoria, dentre elas, que fosse dado a partir de outubro, um reajuste de 2,96%, e que a Tabela Única dos médicos fosse implementada a partir de 2019 (quando já deveria ter sido iniciada a sua implementação em janeiro de 2018, conforme promessa do prefeito Edvaldo Nogueira).