O Ministério Público de Sergipe vai acompanhar o caso do designer Clautenis José dos Santos, 37, morto na noite dessa segunda-feira, 8 de março, vítima de tiros na cabeça disparados por policiais civis numa ação da polícia na Barra dos Coqueiros. Inquérito é sigilioso.

O promotor de Justiça Eduardo Matos requereu a instauração de processo administrativo, a fim de que sejam apuradas as eventuais condutas delitivas de agentes policiais e salientou no ofício que, após as investigações, o o Inquérito Policial seja encaminhado para a Promotoria de Justiça Especializada no Controle Externo da Atividade Policial, Questões Agrárias e Atuação no Sistema Prisional.

Eduardo Matos requereu ao secretário de Segurança Pública, João Eloy de Menezes, para que apure o caso.

De acordo com o noticiado, o rapaz de 37 anos foi morto na noite da última segunda-feira (08), vítima de tiros disparados por policiais civis em operação articulada pela SSP, como consequência de uma investigação que envolve o roubo de veículos.

DHPP conduz investigação – O caso está sendo conduzido pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), sob a responsabilidade da delegada Thereza Simony. Ela informou  em coletiva hoje de manhã que, os policiais foram checar um suposto roubo de veículo no conjunto Bugio e no retorno, fizeram uma abordagem de rotina ao veículo em que Clautenis estava.

Informou ainda que o inquérito tem o prazo legal de 30 dias, podendo ser prorrogado e que já foram feitas ontem mesmo as primeiras oitivas.

Inquérito sigiloso – De acordo com a corregedora de Polícia Civil, Érica Magalhães, o inquérito será conduzido de forma sigilosa e a população pode ficar tranquila porque será conduzido de forma que todos os fatos venham à tona.

Ainda segundo Érica Magalhães, “a princípio, a abordagem foi correta, mas só vamos poder afirmar se houve abuso, após o término das investigações”, disse ao informar que os policiais permanecem em serviço.