Um aparelho de ressonância, um tomografo e outros equipamentos adquiridos pelo Hospital Cirurgia com recursos do Ministério da Saúde estão há três anos na unidade, mas nunca foram usados na prestação de qualquer tipo de serviço de saúde. A informação foi passada pelo diretor técnico do hospital, dr. Rilton Morais.

Segundo ele, os equipamentos foram comprados, mas as instalações onde eles devem ficar ainda não estão prontas para recebê-los. “São equipamentos que emitem radiação e precisam de uma estrutura adequada, enquanto isso não for finalizado, eles não podem ser instalados, e mesmo assim, não sabemos se estarão em boas condições de funcionamento quando foram colocados em uso, diante do tempo em que já estão ociosos”, lamentou.

Há cerca de 10 anos quem chega ao hospital cirurgia se depara com materiais de construção. A construção do prédio que deveria abrigar o setor de oncologia se arrasta há uma década. Em agosto do ano passado o aparelho de radioterapia que funcionava no antigo prédio quebrou e desde então nenhum procedimento desta natureza tem sido feito na unidade. O diretor técnico do hospital informou que diante dos problemas apresentados pelo aparelho não seria viável a manutenção, mas a aquisição de um novo.

Até lá quem precisa passar pelo procedimento é deslocado para o Hospital de Urgências de Sergipe (Huse) e para para clinicas particulares contratadas pelo Governo do Estado.

Desde novembro do ano passado o hospital cirurgia está sob intervenção judicial. Os antigos gestores da unidade filantrópica chegaram a ser presos também no ano passado sob suspeita de terem cometido irregularidades na aplicação de recursos públicos, já que o Governo do Estado contrata o hospital para prestação de vários serviços de saúde.

O diretor técnico do hospital informou que a um grupo de trabalho formado para resolver os problemas encontrados no hospital e que previsão é que o atendimento  do setor de radioterapia seja retomado na unidade em janeiro do próximo ano.