O Jornal da Fan, apresentado pelo radialista Narcizo Machado, promoveu um debate na manhã desta terça-feira, 26, sobre a participação feminina na política. O secretário judiciário do Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe (TRE-SE), Marcos Vinícius Linhares, a sindicalista Ângela Melo e a líder comunitária Karina Drummond foram entrevistados.

Para eles, apesar dos avanços nas conquistas do público feminino no cenário político, ainda há muito que ser conquistado.

Angela Melo/Foto: Fan F1

A sindicalista Ângela Melo foi candidata a deputada federal no último pleito, mas não obteve êxito. Ela destacou, que apesar da exigência para que haja a cota mínima de mulheres candidatas em todos os partidos, é necessário que haja mais fiscalização por parte do TRE, assim como o engajamento para população eleger essas mulheres.

A declaração foi ratificada pelo secretário judiciário do TRE/SE. Segundo ele, apesar de tímida, a participação feminina seria menor ainda se não houvesse a obrigatoriedade. “Somente em 2009 passou a ser obrigatória a cota partidária para mulheres. De lá pra cá avançamos, em 2014, tivemos 51 mulheres eleitas para Câmara Federal, ano passado esse número subiu para 72. Provando que mulheres gosta sim de política”, afirmou.

Karina Drummond/Foto: Fan F1

A líder comunitária Karina Drummond, que também já foi candidata a cargos eleitorais apontou que não há investimento nos partidos para candidaturas femininas e que a formação política dessas mulheres dentro das siglas precisam ser tratadas com mais atenção para que toda essa realidade seja mudada.

Na semana passada, publicações sobre um caso registrado no município de Lagarto (SE) chamou a atenção para efetividade da participação feminina na política. A então candidata a deputada estadual pelo MDB, Marleide Cristina, obteve 186 votos. A pequena quantidade de votos contrasta com o volume de recursos que ela investiu em comunicação e marketing em sua campanha. O partido destinou R$468.899,75 do fundo eleitoral para a candidata. Deste total, R$ 387.930,00 foram investidos em serviços prestados por diversas empresas na área de comunicação e marketing.

Diante disso, as entrevistadas disseram que aguardam do MPF e do TRE, que medidas cabíveis sejam adotadas. As contas da então candidata ainda não foram julgadas, mas depois das matérias publicadas pelo Fan F1, o TRE já informou que os dados serão analisados detalhadamente.