Foi solto nesta quarta-feira, 12, o empresário Antônio Monteiro, preso no dia 17 de julho durante operação das polícias de Alagoas e Sergipe e do Ministério Público de Alagoas para combater  crimes de sonegação fiscal, lavagem de dinheiro, falsificação de documentos e criação de empresas de fachada. Ele estava custodiado no estado de Alagoas desde o dia da prisão, quando a Operação Placebo foi deflagrada.

O Grupo de Atuação Especial em Sonegação Fiscal e aos Crimes Contra a Ordem Tributária, Econômica e Conexos (Gaesf) do Ministério Público de Alagoas, responsável pelas investigações iniciadas em novembro do ano passado, levou à prisão 10 pessoas, entre elas, o empresário Antônio Monteiro, dono do Grupo Monteiro, e um auditor fiscal de Alagoas.

O prejuízo dos crimes cometidos, segundo o Gaesf, foi de R$ 197 milhões referentes a imposto sonegado, multas, juros e correção monetária.

Segundo informações extra-oficiais, o empresário foi solto após pagamento de cerca de R$ 40 milhões a título de parte de ressarcimento dos danos causados ao erário.

Antônio Monteiro tem empresas do ramo de medicamentos  com sede no município de Nossa Senhora do Socorro e filiais nos estados da Bahia e Alagoas. Ele foi levado preso para Alagoas porque as investigações foram iniciadas pelo MP/AL, que levou à prisão um dos testas de ferro do empresário, segundo o MP, que agia em território alagoano.

O MP/AL não deu mais detalhes acerca da soltura do empresário.