Os matadouros municipais de Muribeca e Nossa Senhora das Dores foram interditados durante Fiscalização Preventiva Integrada – FPI São Francisco, em sua 4ª etapa no Estado de Sergipe. Ambos os matadouros não têm licença ambiental e as carnes tinham sérios riscos de contaminação. Técnicos da Adema também aplicaram multa que será estipulada após os desdobramentos.

No abatedouro clandestino de Dores os técnicos apuraram que 80% da carne produzida em condições insalubres eram comercializadas em diversos municípios da região.

No matadouro de Muribeca, localizado em uma área urbana, os resíduos sólidos e líquidos eram despejados sem qualquer tratamento em uma lagoa próximo ao matadouro, que atraia dezenas de urubus. “O gado recebia marretadas na cabeça para depois ser feita a sangria, quando o correto é o uso da pistola pneumática, que ameniza o sofrimento do animal”, explicou a coordenadora da equipe Abate, Salete Dezen.

A ausência de um médico veterinário para acompanhar todo o processo de abate também foi observada pelos agentes da Fiscalização Preventiva Integrada. Cerca de 20 funcionários que trabalhavam no local relataram que aproximadamente 120 bois eram executados por semana e que a carne abastecia o comércio e os restaurantes da região.

Durante a FPI/SE, mais de 200 profissionais de 27 instituições vão percorrer nove municípios para promover ações em defesa do Rio São Francisco. A coordenação é realizada pelos Ministérios Públicos Federal e Estadual com apoio do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF).