O Conselho Regional de Odontologia de Sergipe (CRO-SE) e a polícia Civil de Sergipe firmaram parceria para coibir exercício ilegal da profissão. “Estaremos sempre à disposição. Basta que o Conselho nos direcione uma remessa de denúncia e nos somaremos para coibir essas práticas ilegais”, disse a delegada-geral, Katarina Feitoza.

De acordo com a Lei 5.081/66, o exercício da Odontologia somente pode ser praticado por cirurgião-dentista habilitado, que possua diploma de graduação em Odontologia e registro no órgão de fiscalização (CRO). Segundo o artigo 282 do Código Penal, a punição prevista para o exercício ilegal de profissão regulamentada é de detenção de seis meses a dois anos, podendo ser cumulada à penalidade de multa.

O encontro aconteceu a convite da presidência do CRO-SE. Além do presidente do CRO-SE, Anderson Lessa Siqueira, e de Katarina Feitoza, participaram da reunião a coordenadora operacional da Capital, Nalile Bispo de Castro; a coordenadora de Polícia Civil da Capital (COPCAL), Viviane Cruz Pessoa.