(registro feito pelo circuito interno de segurança que mostra o início da confusão/ Fonte: SSP/SE)

Em coletiva na manhã desta quinta-feira, 7, a Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP/SE) informou que o irmão do vereador de Aracaju (SE) Anderson de Tuca (PTB), Wesley Santos Silva, 33 anos, não morreu vítima de um disparo de arma de fogo, como foi apontado inicialmente pelo Instituto Médico Legal (IML). A SSP/SE informou ainda que um novo laudo mais detalhado apontou que a morte foi provocada por um objeto  perfurocortante e que peritos teriam dado um outro diagnóstico, porque os ferimentos encontrados se assemelhavam aos provocados por arma de fogo.

Secretário de Justiça de Sergipe, Cristiano Barreto detalha as investigações.

Para a SSP/SE o caso está esclarecido. “A morte aconteceu num banho de sol, foram duas perfurações de dois detentos diferentes com punhais, uma no abdômen (que ocasionou a morte) e uma nas costas (superficial)”, detalhou a delegada Tereza Somony.

Ainda segundo ela, os detentos suspeitos de envolvimento no caso foram identificados e vão ser ouvidos até próxima semana.

Menos de 24h depois da morte de Wesley, um outro detento identificado como Marcos José Lima Queiroz, de 24 anos morreu  no mesmo pavilhão. A polícia acredita que o segundo caso pode ter relação com a morte do irmão do vereador, mas prefere aguardar o andamento das investigações para dar novas informações.

Entenda o caso

Wesley Santos Silva, 33 anos, irmão do vereador Anderson de Tuca, morreu após se envolver em uma briga com outro interno no pavilhão 3 do Complexo Penitenciário Doutor Manoel Carvalho Neto (Compencan), em São Cristóvão (SE), morreu na última quarta-feira, 30.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP),  a confusão  foi contida por agentes da unidade prisional e os internos foram socorridos pelo Samu.

Wesley, foi encaminhado para o Hospital de Urgência de Sergipe (HUSE), segundo o vereador, em uma viatura do Desipe, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

Ainda de acordo com a SSP, disparos de arma de fogo foram realizados no intuito de conter o tumulto, mas o detento foi ferido pelos próprios internos.

O vereador Anderson de Tuca não foi encontrado para falar sobre o assunto.