Acontece nesta quarta-feira, 8, às 19h na Paróquia Santa Luzia, no município da Barra dos Coqueiros (SE), uma missa em homenagem ao designer de interiores Clautenis José dos Santos, de 37 anos. A morte dele completa hoje um mês.

Após este período, já foram realizadas entrevistas coletivas, audiências no Ministério Público Estadual (MPE), reconstituição do crime, mas o inquérito que deveria ser concluído hoje, continua aberto.

O irmão de Clautenis, Cleverton Santos, disse que não entende o motivo de tanta demora. “A impressão que dá é que estão esperando a poeira baixar. Demore o tempo que for, não vamos aceitar que a imagem do meu irmão seja machada. Ele era um homem de bem, íntegro e pacífico. Não tinha armas, não há como justificar uma reação. Clautenis foi vítima de uma irresponsabilidade do Estado”, afirmou.

A Secretaria de Estado da Segurança Pública de Sergipe (SSP-SE), informou que o delegado Júlio Flávio, da Corregedoria da Polícia Civil, solicitou dilação de prazo no Inquérito Policial, porque as perícias que devem subsidiar o resultado das investigações não foram concluídas.

Entenda o caso 

O designer de interiores Clautenis José dos Santos de 37 anos morreu no dia 8 de abril deste ano. Ele foi morto a tiros por policiais civis durante uma abordagem policial quando voltava da igreja católica do Conjunto Bugio, na Zona Oeste e Aracaju (SE). A abordagem foi realizada na avenida Serafim Bonfim, no bairro Santos Dumont, Zona Norte,  menos de cinco minutos depois da viagem ter sido iniciada.

Clautenis e um amigo estavam em um veículo de aplicativo. De acordo com testemunhas, os polícias já chegaram atirando. Clautenis chegou a ser levado pelos polícias ao Huse mas já chegou morto. O motorista foi baleado na perna e o amigo do designer não sofreu nenhum ferimento.