Com mais de 15 mil inscritos para 1000 vagas, o Processo Seletivo Simplificado da Secretaria de Estado da Saúde segue suspenso. Em entrevista na manhã desta quinta-feira, 03, o deputado estadual Capitão Samuel, aprovou a iniciativa do governador Belivaldo Chagas (PSD), e disse que o processo será usado politicamente.

O parlamentar preferiu não citar nomes, mas disse que o processo irá atender à interesses políticos. “Mesmo diante das dificuldades enfrentadas pela saúde em Sergipe, é preciso ter cuidado com esses processos seletivos. A decisão do governador foi acertada. Esse processo não pode ter continuidade sem a devida avaliação da real necessidade de novas contratações e do impacto que causará para os cofres do Estado”, pontuou.

O assessor de comunicação da Secretaria de Estado da Saúde, Ferreira Filho, avaliou a declaração do deputado como vaga e disse que elas atingem a integridade e competência profissional dos técnicos da pasta. “Profissionais da Saúde trabalharam intensamente para que não se levantasse qualquer dúvida sobre possível favorecimento. As inscrições aconteceram de forma íntegra”, afirmou.

Ferreira, ainda utilizou a reinauguração da Maternidade Hildete Falcão para justificar a necessidade do PSS e disse que as contratações poderão acontecer de acordo com a capacidade financeira do Estado.

Na última segunda-feira, 30, o Governo divulgou uma nota oficial informando que irá analisar a viabilidade do PSS. O Governo informou que as secretaria envolvidas irão avaliar as condições financeiras do Estado diante do enquadramento da Lei da Responsabilidade Fiscal. Disse ainda, que  Governo sabe da importância e necessidade do Processo Seletivo, ao tempo em que preocupa-se com a responsabilidade da realização de um processo com os respectivos impactos.