O governador do Estado, Belivaldo Chagas (PSD), disse nos novos estúdios do Jornal da Fan na manhã desta quarta-feira, 9, que o secretário de Saúde, Almeida Lima, tem sido irresponsável na condução da pasta e que ainda não o tirou do cargo porque ainda não é o momento. “Estou sendo muito paciente e responsável para manter Almeida”, disse o governador em entrevista a George Magalhães.

“No meu estilo de governar eu não tenho que ter pressa. Já tenho em mente o que tenho que ser feito e já-já vocês saberão o que terá que ser feito. Em breve irei sentar com Almeida”, falou sem adiantar mais detalhes dos assuntos que irá tratar nessa reunião.

Na entrevista, Belivaldo Chagas fez duras críticas ao secretário e voltou a falar do Processo Seletivo Simplificado (PSS), lançado pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) no mês passado e suspenso 15 dias depois por ordem do governador. Segundo Belivaldo, Almeida Lima lançou um PSS sem que um trabalho minucioso fosse feito para constatar a sua real necessidade, bem como o quantitativo de vagas efetivamente necessário.

Por outro lado, o governador tranquilizou os 16 mil inscritos e disse que o governo está analisando a situação e se tiver que devolver a taxa de inscrição a todos, devolverá, como também, se tiver de fazer o PSS, fará. “Cada superintendente está fazendo um trabalho criterioso em suas fundações e avaliando as reais necessidades. Se tivermos de fazer o Processo Seletivo, faremos, mas depois de uma análise bastante criteriosa”, disse Belivaldo.

Belivaldo Chagas criticou ainda a contratação dos chamados “tuque-tuques” para entrega de medicamentos feita recentemente pelo secretário Almeida Lima. Segundo o governador, o secretário contratou os veículos de três rodas sem condutores suficientes.

Questionado por George Magalhães se Jackson Barreto está pedindo a permanência do primo na Secretaria de Saúde, Belivaldo Chagas negou. “A responsabilidade da permanência de Almeida Lima no cargo até o momento é minha. Não tirei ainda porque não é o momento. Almeida não é indicação política de ninguém. Eu estou fazendo todo o acompanhamento e chegando as minhas conclusões”, disse.

Estabilidade da FHS – Sobre a estabilidade do servidor da Fundação Hospitalar de Saúde (FHS), o governador disse que toda a discussão está sendo feita para que se busque a solução que não penalize nenhum servidor.

Foto: Jorge Henrique/ASN