Foto cedida pelo Sindicato dos Agentes Socioeducativos de Sergipe

Agentes socioeducativos de Sergipe tiveram uma terça-feira, 12, movimentada. A categoria começou o dia com um ato solidário no Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose), no bairro Capucho, em Aracaju (SE), onde vários profissionais da área doaram sangue. De lá seguiram em marcha até a sede do Ministério Público Estadual, no mesmo bairro, para protocolar documentos, que apresentam a atual situação das unidades socioeducativas do Estado.

A ação faz parte de uma agenda de atividades prevista para acontecer durante todo o ano, como forma de chamar a atenção das autoridades para, o que eles classificam como um problema crônico, já que se arrasta há várias gestões.

De acordo com os agentes, mesmo com a inauguração de uma nova unidade de medidas socioeducativas em Nossa Senhora do Socorro, o Centro de Atendimento ao Menor e a Unidade Socioeducativa de Internação Provisória (Usipe), em Aracaju, continuam superlotados e com vários problemas estruturais, além do baixo efetivo de profissionais para atuar nesses locais.

A fundação Renascer, responsável pela administração das unidades informou que  uma reforma completa no prédio da Usipe está prevista para ser iniciada em março e a superlotação deve ser resolvida com um mutirão judicial, que deve acontecer ainda nesse semestre.