Em entrevista na manhã desta quinta-feira, 28, ao radialista Narcizo Machado, durante o Jornal da Fan, o diretor técnico do Hospital Cirurgia, dr. Rilton Morais apresentou um panorama da atual situação da unidade hospitalar, hoje sob intervenção do Governo do Estado. Ele também fez fortes declarações e responsabilizou a prefeitura de Aracaju por grande parte dos problemas gerados no hospital, no período em que funcionou sob a gerência municipal.

“A prefeitura foi um câncer que acabou destruindo o Hospital Cirurgia. A gestão criava regras para que o hospital não funcionasse. O recurso chegava integralmente do Ministério da Saúde, mas nunca era repassado em sua totalidade e a prefeitura ficava com o dinheiro para gastar como quisesse. Era estabelecido limite de cirurgias, e mesmo que tivessem pacientes na fila eu não poderia atender, porque a prefeitura não permitia”, afirmou.

Além dos prolemas causados pela prefeitura, o diretor técnico lembrou que no próprio hospital havia um esquema criminoso que colocava a unidade em situação ainda pior.

Uma operação deflagrada pelo Ministério Público do Estado (MPE) no ano passado, prendeu gestores do hospital. A justiça determinou que a gestão do hospital fosse feita pelo Governo do Estado, como está sendo feita no momento.

De acordo com dr. Rilton, esta foi a decisão mais acertada até o momento. “Hoje nos conseguimos resolver vários problemas existentes lá dentro, entre eles o dos altos salários pagos aos gestores. Temos residência médica e somos referência em neurocirurgia. É um hospital que faz cerca de 400 cirurgias por mês. Portanto de uma importância enorme para sociedade sergipana”, apontou.

Detalhando os serviços desenvolvidos pelo hospital e a sua necessidade para o estado de Sergipe, o diretor técnico encerrou a entrevista pedindo apoio para fortalecimento do Hospital Cirurgia. “É preciso que as pessoas estejam do lado do hospital, que lutem para mantê-lo em funcionamento e com qualidade. Sem isso, enfrentaremos sérios problemas no sistema de saúde do estado, além dos que já temos”, finalizou.